O processo extraordinário de viabilização de empresas: uma miragem no deserto?